Fortalecer e renovar a ABIMDE para desenvolver a BID

Chapa Verde e Amarelo propõe a modernização da ABIMDE, com nova estrutura, novas práticas de gestão e mais participação dos associados na construção e execução da Agenda de Trabalho 

Fortalecer e renovar a ABIMDE é o caminho natural para criar condições mais adequadas ao desenvolvimento do complexo industrial brasileiro de defesa e segurança pública.

Fomento tecnológico insuficiente, aliado às dificuldades de acesso ao crédito, além de instabilidade nos orçamentos públicos de defesa e segurança, são exemplos que se destacam entre as barreiras que freiam a expansão do setor.

É papel da nossa Associação identificar com clareza o rol do problemas prioritários a serem enfrentados. Eleger uma agenda de trabalho para a superação de entraves constitui uma tarefa que demanda a participação dos associados e o compromisso de todos em favor de objetivos de interesse comum.

A ABIMDE tem de estar preparada para dialogar e ser capaz de influenciar a formulação das políticas públicas que afetam o setor. A sua credibilidade é um ativo que terá de ser protegido e cultivado. Nossa agenda de propostas será sempre a do setor e não a de segmentos e empresas específicas. Essa agenda deverá refletir as prioridades estratégicas pactuadas pelos associados. 

O sucesso da ABIMDE depende da construção de alianças e parcerias com o setor público e outras entidades de representação empresarial. A nossa capacidade de articulação e negociação será uma variável decisiva.

A modernização da ABIMDE

As mudanças que vamos implantar têm como meta construir um ambiente que favoreça a participação dos associados e gere agendas legítimas e representativas do setor. Para evitar a captura de nossa agenda temos um compromisso absoluto com regras de boa governança.

Nossa proposta começa pela criação de Comitês Estratégicos para coordenar a formulação e a realização de ações de articulação e representação institucional.  A ideia é criar frentes de atuação. Cada Comitê Estratégico será coordenado por um vice-presidente.

Reconhecendo a força da diversidade da BID, criaremos um Comitê Especial voltado para a promoção e desenvolvimento das Pequenas e Médias Empresas e Startups. 

Aos diretores caberá a reestruturação da política administrativa interna. Com o objetivo de modernizar a gestão e dar mais transparência aos atos, cada diretor eleito será encarregado de acompanhar uma área: a gestão administrativa, a gestão financeira, a gestão de convênios, acordos de cooperação técnica e prestação de serviços, além do exame permanente das condições de sustentabilidade econômico-financeira da entidade.

O presidente terá a responsabilidade da coordenação da interlocução com Brasília. É imprescindível reconhecer a importância do diálogo com os poderes representados na capital federal para  definir as condições de desenvolvimento de nosso setor. Lá estão as autoridades com maior impacto no nosso ambiente econômico e institucional. Com esse diagnóstico, nossa proposta visa institucionalizar essa representação como função permanente, especialmente para acompanhamento do Congresso Nacional e para suporte e apoio às ações institucionais da BID.